Desarmamento

Baptist World Alliance Logo

Resolução do Conselho Geral do BWA de 1981.5

Estamos animados com os preparativos que estão sendo feitos agora para outra Assembléia Especial da ONU sobre o tema do desarmamento e reconhecemos a importância crucial deste tema para o futuro da humanidade. Dirigimo-nos com a mais forte convicção possível aos nossos próprios órgãos membros e também às Nações Unidas e aos governos do mundo para agir com determinação e rapidez para erradicar as ameaças à paz criadas pela construção de armamentos, tanto convencionais como nucleares.

A. Aos nossos Organismos Membros

1. Reconhecendo a urgência expressa pelos Congressos da Aliança Mundial Batista de 1970, 1975 e 1980 em relação à necessidade de desarmamento mundial e a urgência ainda maior no momento atual:

Exortamos nossos órgãos membros a considerar seriamente este assunto, a promover a compreensão das questões entre seus próprios círculos eleitorais e a assumir responsabilidade ativa dentro de suas próprias nações e Estados para preservar e propagar a paz e efetivar a redução e cessação definitiva dos armamentos, tanto convencionais como nucleares.

2. 2. Reconhecendo isso:

- Atualmente existe armamento nuclear suficiente nos arsenais do mundo para destruir a Terra várias vezes e o absurdo da "Destruição Mútua Assegurada" (MAD);

- Uma nova e terrível etapa foi atingida na escalada da produção e modernização do armamento nuclear;

- Os batistas compartilham plenamente da profunda preocupação expressa pelos povos do mundo pela paz;

Resolução do Conselho Geral do BWA de 1981.5

- Na Sessão Especial das Nações Unidas sobre Desarmamento (UNSSD) em 1978, 149 nações do mundo concordaram através de seus representantes governamentais que trabalham para o "desarmamento geral e completo", e

- A segunda UNSSD será realizada em junho de 1982.
Exortamos os órgãos membros da Aliança Mundial Batista a estudar as deliberações das Nações Unidas

e os objetivos dos movimentos para o desarmamento mundial e para tomar as medidas apropriadas.

B. Para as Nações Unidas e para os Governos

1. Reconhecendo que a corrida armamentista esgotou os recursos naturais do mundo, desvia habilidades e suprimentos materiais do alívio da fome, pobreza e doenças, agrava a inflação e coloca o mundo no grave perigo de um holocausto no qual toda a humanidade seria a perdedora:

Exortamos a cessação multilateral, por pelo menos uma década, da produção de armamentos, convencionais e nucleares, ofensivos e defensivos; a cessação da pesquisa e desenvolvimento em armas nucleares e em novas formas de armamento e sistemas de lançamento de armas e a prevenção de qualquer armamento de aeronaves.

2. Reconhecendo que a ameaça de guerra é o maior perigo que o mundo enfrenta atualmente e observando a relutância dos Estados com armas nucleares em concordar com uma convenção de limite de armas nucleares:

Condenamos a loucura de confiar, como no presente, no conceito de "Destruição Mutualmente Assegurada".

Afirmamos que o uso de armas nucleares não é motivo de segurança e é tão abominável quanto a guerra bacteriológica ou química, condenada como incivilizada desde o Protocolo de Genebra de 1925.

Recomendamos que cada um dos Estados detentores de armas nucleares forneça um sinal de sua integridade ao chegar a uma conferência de desarmamento, desmontando uma arma nuclear cada um, mesmo antes da discussão.

Recomendamos ainda que cada uma das potências fortemente armadas, ao ser convidada a renunciar a qualquer objetivo de dominar o mundo com seus sistemas políticos, econômicos ou sociais.

Instamos que as duas grandes potências mundiais nucleares, os EUA e a URSS, nas pessoas de seus líderes nomeados, procurem seriamente, o mais rápido possível, uma reunião para demonstrar ao resto do mundo sua disposição para reduzir a tensão mundial, exibindo juntos, de forma prática, seu compromisso específico com o desarmamento e a paz mundial.

3. Reconhecendo que certos grandes problemas básicos precisam ser tratados mais completamente do que até agora para que as discussões sobre desarmamento sejam bem sucedidas:

Pedimos que seja feita uma tentativa séria,

Primeiro, convencer os Estados detentores de armas nucleares de que a posse de tais armas não contribui para sua segurança, mas é uma fonte de insegurança, para si mesmos e para os outros;

Em segundo lugar, fornecer aos Estados não nucleares alguma forma razoável de garantia contra o uso ou ameaça de armas nucleares;

Terceiro, no bloco ocidental para compensar os esforços educacionais públicos e políticos do complexo militar-industrial para persuadir o público de que o negócio de armamento deve continuar;

Em quarto lugar, igualmente nos países de economia planejada, incentivar os planejadores a reorganizar as prioridades de forma que, subordinando os armamentos, suas prioridades contribuam para o crescimento econômico.

4. Reconhecendo que o compromisso com o desarmamento e a paz deve ser acompanhado pelo compromisso de buscar a remoção das causas do conflito e que tais causas muitas vezes se concentram em torno de injustiças percebidas e/ou falta de liberdades fundamentais:

Incentivamos as Nações Unidas e os Estados do mundo a perseguirem com vigor tais objetivos como uma ordem econômica e social justa, o princípio da autodeterminação em disputas territoriais, juntamente com a eliminação de todas as formas de discriminação contra minorias raciais, étnicas e religiosas, na crença de que paz, justiça e liberdade são objetivos que podem ser melhor alcançados juntos e o progresso em direção à justiça e à liberdade encorajará o progresso em direção à paz.

Citações

Bibliografia de fonte original: Claas, Gerhard, editor. Anuário da Aliança Mundial Batista de 1981: Ata da Reunião do Conselho Geral e Diretório. Washington, DC: Baptist World Alliance, 1981.

Fonte Original Nota de Rodapé/Endnote: Gerhard Claas, ed.., Anuário da Aliança Mundial Batista de 1981: Ata da Reunião do Conselho Geral e Diretório (Washington, DC: Baptist World Alliance, 1981), pp. 40-41.

Citação completa do documento online: Resolução do Conselho Geral do BWA de 1981.5 Desarmamento; https://o7e.4a3.myftpupload.com/resolutions.

Para mais informações sobre as resoluções da Aliança Mundial Batista, visite BaptistWorld.org/resoluções.

Desde a sua formação em 1905, a Aliança Batista Mundial tem colocado em rede a família batista global para impactar o mundo para Cristo com um compromisso de fortalecer o culto, a comunhão e a unidade; liderar em missão e evangelismo; responder às pessoas necessitadas através de ajuda, alívio e desenvolvimento comunitário; defender a liberdade religiosa, os direitos humanos e a justiça; e avançar na reflexão teológica e no desenvolvimento de lideranças.

Últimas notícias

2022 BWA Annual Gathering Focused on Racial Justice (Encontro Anual do BWA)

(BIRMINGHAM, AL - 22 de julho de 2022) O foco temático e o desenvolvimento do conteúdo para o Encontro foi amplamente facilitado pelo Grupo de Ação de Justiça Racial do BWA lançado em outubro de 2020 com a afirmação unânime do Comitê Executivo do BWA. Co-presidido pelo Secretário Geral da BWA Elijah M. Brown e pelo Primeiro Vice Presidente da BWA Karl Johnson da Jamaica, o Grupo de Ação embarcou em uma jornada de dois anos

Comitê Executivo lança declaração sobre a crise ucraniana

(FALLS CHURCH, VIRGINIA, EUA - 25 de março de 2022) Em conjunto com suas reuniões do Comitê Executivo realizadas este mês, o Comitê Executivo da Aliança Mundial Batista (BWA) divulgou uma declaração conjunta em resposta à crise na Europa Oriental. Esta é a primeira declaração de seu tipo divulgada pelo Comitê Executivo em mais de 40 anos.